Universidade de São Paulo

IAG-USP

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Um Planeta em Nosso Quintal

Figura artística do planeta que gira em torno da estrela mais próxima da Terra.

 

Astrônomos usando um grande telescópio do observatório Europeu do Sul (ESO, da sigla em inglês) no Chile anunciaram a descoberta de um planeta ao redor da estrela mais próxima de nós depois do Sol, a estrela Proxima Centauri.

A estrela Próxima Centauri está a apenas 4,2 anos-luz (cerca de 39 700 000 000 000 quilômetros ) da Terra e é uma estrela anã vermelha, que é um tipo de estrela muito pequena, com aproximadamente um sétimo do diâmetro do Sol. O planeta recém descoberto tem um ano de apenas 11 dias terrestres, o que garante que, apesar de sua estrela ser bem mais fraca do que o Sol, haja bastante energia para manter água em estado líquido. Poderia até haver oceanos que cobrem ao menos alguma parte do planeta, e onde há água, pode haver vida.

Mas, existe vida lá? Infelizmente, essa é uma pergunta muito difícil de se responder.

Algumas pessoas já podem começar a imaginar o melhor método para se enviar uma sonda de reconhecimento para Proxima Centauri para verificar. Seria uma ótima idéia, mas não é fácil de realizar. Nosso foguete mais rápido levaria cerca de 75.000 anos para chegar lá. Aí não estaríamos mais vivos para descobrir as respostas.

Enquanto esperamos enquanto esperamos a tecnologia evoluir para encurtar o tempo de viagem, os astrônomos continuam usando os maiores telescópios disponíveis, incluindo os do Chile que foram usados para encontrá-lo, para estudar a luz que vem desse planeta e tentar identificar a existência de oxigênio, ozônio ou outros gases que possam estar ligados a biologia e à existência de vida. Mas, na verdade, esse planeta apesar de ser um pouco maior do que a Terra (cerca de 1,3 massas terrestres) ainda é muito pequeno e está longe de nós, o que torna muito díficil estudá-lo em detalhes, mesmo com os melhores telescópios que temos hoje. Então, tentar identificar esses gases provavelmente vai exigir que novos equipamentos sejam criados para isso. Portanto, é um estudo que também vai levar alguns anos.

No momento, o mais fácil a fazer é tentar identificar algum sinal originado naquele planeta, como algum sinal de rádio ou televisão. Estaremos atentos a qualquer novidades em relação a isso!

Mas, sinceramente, é muito legal conseguirmos identificar um planeta como esse. Os astrônomos estimam que ao menos uma em cada cinco estrelas hospeda um planeta habitável, então este é apenas um em dezenas de bilhões só em nossa Galáxia. Nesse sentido, pode-se dizer que não é uma descoberta tão extraordinária assim. Por outro lado, nenhum entre estas outras dezenas de bilhões de planetas estará tão perto quanto este. Este então será sempre especial e sempre será objeto de nossas atenções.

 

por Luciene S. Coelho

 

Links Importantes

Links:
Observatório de Bordeaux
Conheça um dos mais tradicionais observatórios da Europa
Observatório Nacional
Saiba mais sobre o Observatório Nacional, no Rio de Janeiro.
Abrahão de Moraes
Saiba mais sobre um dos diretores do IAG/USP, que dá nome ao Observatório.
www.flickr.com
Esse é um módulo do Flickr que mostra itens de um álbum chamado Fotos Observatório. Faça seu próprio módulo aqui.
FacebookFlickrYoutubeTwitter